Retorne ao SPIN

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

As técnicas de tortura praticadas durante a ditadura no Brasil


Sugerido por Almeida
Publicado no site do PCB - Partido Comunista Brasileiro
Fotos por João Paulo Charleaux
Ilustração por Bruno Maron
​Na mesma semana em que o Senado dos EUA publicou detalhes das torturas praticas pela CIA contra prisioneiros da chamada "Guerra ao Terror", a CNV (Comissão Nacional da Verdade), aqui do Brasil, entregou à Presidência da República, depois de dois anos e meio de trabalho, seu relatório final – um catatau de três tomos que resume o que foi nossa ditadura militar.
Um dos capítulos mais chocantes é o que trata de tortura. A CNV conta que instrutores estrangeiros ensinaram métodos de tortura a militares brasileiros aqui mesmo, em solo nacional. Agentes franceses teriam desembarcado no Brasil para ensinar algumas técnicas brutais aprendidas e testadas na guerra de descolonização da Argélia, nos anos 50.
Mais tarde, oficiais brasileiros frequentaram aulas de tortura na Escola das Américas, criada pelo Departamento de Defesa do governo dos EUA. O local foi um centro de irradiação destas práticas para toda a América Latina, durante a Guerra Fria, nos anos 60.
Entre 1964 e 1985, 434 pessoas foram mortas e desaparecidas pelo governo militar brasileiro, e mais de 6 mil foram torturadas. Além de torturar seus cidadãos, o Brasil também exportou técnicas de tortura para ditaduras vizinhas.
O Estádio Nacional, uma espécie de Estádio do Maracanã do Chile, foi convertido em 1973, pela ditadura do general chileno Augusto Pinochet, num gigantesco centro de tortura coletiva. Lá, diversas vítimas relataram ter visto e ouvido especialistas brasileiros ensinando técnicas de tortura a militares chilenos. As máquinas usadas no Estádio Nacional também continham manuais de instrução em português, de acordo com dissidentes torturados no local.
Todas as técnicas abaixo foram relatadas por torturados e torturadores à CNV. Como muita gente ainda parece não ter entendido o quanto essa prática é abominável, resolvemos convidar o desenhista Bruno Maron pra tornar mais óbvio o horror da coisa toda. 

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

O que move o Estado Islâmico?; por Reinaldo Nasser


Por Reinaldo Nasser
Por mais que utilize métodos de intimidação naqueles que estão sob seu domínio, o ISIS tenta espalhar a sua mensagem religiosa por meio de pregação pública, além de se esforçar para ganhar o apoio da população nas áreas que conquistou. Ao assumir o controle de uma cidade, procura administrar a distribuição de água, farinha e outros recursos, além policiar ruas, fornecer eletricidade e fiscalizar o comércio, colocando em prática o que parece ser o início de estruturas quase estatais. Estabelecem, nos territórios dominados, ministérios, tribunais e até mesmo um sistema de tributação rudimentar, que, segundo alguns, é muito menos espoliativo do que o governo da Síria de Assad.

Estima-se que por volta de 8 milhões de pessoas vivam sob controle total ou parcial do grupo. Esse trabalho de governo requer, por sua vez, recursos financeiros que o Estado Islâmico demonstrou habilidade na produção e exportação de petróleo. Cerca de 9 mil barris diários de petróleo a preços que variam de 25 a 45 dólares. Relatos de serviços de inteligência avaliam que possui cerca de 2 bilhões de dólares em dinheiro e bens que advêm do uso dos campos de petróleo e gás que controla, bem como de impostos, pedágios, extorsão e sequestro. A ofensiva no Iraque também tem sido lucrativa, dando-lhe acesso ao dinheiro mantido em grandes bancos em cidades e vilas dominadas.

O fenômeno ISIS pode ser caracterizado dentro daquilo que agentes da CIA denominaram, nos anos 60, de blowback. O termo é empregado para referir-se às consequências desastrosas, e não intencionais operações clandestinas realizadas pelo governo dos EUA com o objetivo de derrubar regimes estrangeiros. Como se sabe, o grupo terrorista de Osama bin Laden, a Al-Qaeda, originou-se nos campos de batalha do Afeganistão com o auxílio dos EUA.

Blowback é outra maneira de dizer que uma nação colhe o que semeia. O ISIS é mais um na longa lista que os americanos vêm colecionando desde que se tornou grande potência. 

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Militante do PT assassinado enquanto fazia campanha

Segundo a polícia, Hiago Jatoba, de 21 anos, se envolveu em uma discussão sobre política e foi esfaqueado durante confusão
Por Redação
O militante Hiago Augusto Jatoba de Camargo, de 21 anos, foi assassinado enquanto fazia campanha para Gleisi Hoffmann, candidata do PT ao governo do Estado do Paraná. Testemunhas afirmam que confusão teve motivação político-ideológica.
De acordo com as primeiras informações da Polícia Militar, Hiago Jatoba se envolveu em uma discussão quando recolhia os cavaletes da candidata que estavam na de Praça Ucrânia, em Curitiba. Durante o bate-boca o jovem foi esfaqueado. O militante foi socorrido, mas, faleceu a caminho da UPA (Unidade de Pronto Atendimento).
O PT do Paraná emitiu uma nota onde lamenta o ocorrido. No texto, o PT local diz “lamentar profundamente o ocorrido” e que tem ciência que “todo o apoio e auxílio prestado a família não lhe devolve o que é de maior importância: a vida de Hiago”. Na rede, militantes do Brasil inteiro se solidarizaram com a tragédia e, muitos atribuíram o fato ao discurso de ódio contr o PT quem tem sido alimentado socialmente.
A seguir, confira a nota de pesar do PT:
“A coligação Paraná Olhando pra Frente e a candidata à governadora Gleisi Hoffmann se solidarizam e estão prestando todo auxílio à família de Hiago Augusto Jatoba de Camargo (21), morto no início da noite desta sexta-feira (19) em razão de agressão sofrida na Praça Ucrânia em Curitiba, quando fazia campanha com outros militantes.
Ambulância do SAMU atendeu o jovem no local. Ele faleceu a caminho da UPA 24h do Campo Comprido.
Lamentamos profundamente o ocorrido. Sabemos que todo o apoio e auxílio prestado a família não lhe devolve o que é de maior importância: a vida de Hiago.
Pedimos a Secretaria de Estado da Segurança Pública que tome todas as providências no sentido de identificar e punir os responsáveis por tal agressão.
E pedimos a Deus para que dê forças e conforte a família neste momento, principalmente sua mãe.”

Foto: Diario Liberdade

sábado, 20 de setembro de 2014

Quem será o próximo

Se isso não é crime de ódio, o que será?
‪#‎HomofobiaNão‬
A homofobia tirou a vida de mais um jovem gay no Brasil! O corpo de Wanderson Silva, de apenas 17 anos, foi encontrado nesta quarta (17/09), abandonado em um matagal, em Bayeux, na Paraíba, com um tiro na cabeça e marcas brutais de espancamento. O cabelo do estudante foi cortado e colocado dentro de uma sacola plástica, encontrada próxima ao cadáver, junto com seu enchimento para seios. Amigos e familiares acreditam que crime foi motivado por preconceito, já que nada foi roubado da vítima e ele era querido por todos na cidade.
Internautas paraibanos comoveram-se com a notícia e estão organizando um Ato Público no Busto de Tamandaré neste sábado (20/09), em João Pessoa, clamando pelo fim da LGBTfobia e em memória de Wanderson e de João Donati, também recente vítima de homofobia em Goiás. “Cada um que se cala diante dessa triste realidade, ajuda a aumentar esses índices. É preciso que a sociedade consciente se levante a favor da criminalização da homofobia, para que nossas escolas ensinem as crianças a entenderem e respeitarem a diversidade! Não podemos mais viver esse genocídio!”, desabafou Renan Palmeira, militante LGBT e professor, em sua página no Facebook.
Fonte: Pheeno

sábado, 13 de setembro de 2014

“Tuitaço” contra Malafaia atinge Marina

“Tuitaço” contra Malafaia atinge Marina

Por Altamiro Borges

Marina Silva, a candidata-carona que posa de vítima, ainda vai se arrepender do apoio que recebeu do pastor Silas Malafaia após recuar na defesa dos direitos dos homossexuais – bastando apenas quatro tuites. Nesta semana, o fundamentalista voltou a destilar seu preconceito nas redes sociais. Ele acusou o governo Dilma de ser “o maior financiador do ativismo gay”, responsabilizando-o pelo fim das comemorações dos dias do país e das mães nas escolas. De imediato, os internautas reagiram e a hashtag #menosodiomalafaia chegou ao topo do Twitter na sexta-feira (12). O “tuitaço” calou a boca do pastor reacionário e, de quebra, acabou respigando na candidatura da ex-verde.

Segundo o Estadão, o “líder religioso” antecipou que satanizaria o “ativismo gay” na internet. “A estratégia, contudo, acabou dando errado e a #menosodiomalafaia, criticando a iniciativa, ficou entre os tópicos mais falados na rede social... Na sexta, por volta do meio-dia, o perfil oficial da presidente divulgou no Facebook uma mensagem convocando a militância a reagir à ofensiva do pastor. ‘Vamos todos para o Twitter mostrar que o país não aceita o discurso do ódio, da homofobia e da ignorância’, dizia. A #menosodiomalafaia ficou a tarde toda entre os tópicos mais falados. O pastor até tentou reagir com a hashtag #roubalheiraePTtudoaver, mas não conseguiu chegar aos trending topics do Twitter”.

A reação imediata dos internautas – que o jornal tucano tenta apresentar como uma ação orquestrada – evidenciou que a sociedade não tolera a crescente onda de preconceito e ódio no país. Esta ofensiva conservadora, infelizmente, não está presente apenas na internet. Na quarta-feira (10), o garçom João Antônio Donati, de 18 anos, foi covardemente assassinado em Inhumas, na região metropolitana de Goiânia. As investigações indicam que ele foi vítima de homofobia. Seu corpo foi encontrado em um terreno baldio. O jovem tinha várias sacolas plásticas e papéis colocados na boca. Nada foi roubado. A obsessão doentia do “pastor” Silas Malafaia talvez tenha contribuído para mais este crime bárbaro!

A ministra Ideli Salvatti, da Secretaria de Direitos Humanos, já anunciou que o governo acionará a Polícia Federal para apurar o caso. Após citar outros crimes homofóbicos – como o incêndio que, na madrugada de quinta-feira, destruiu o palco do Centro de Tradições Gaúchas (CTG), em Santana do Livramento (RS) –, ela também disse que o governo deverá destravar o debate sobre a criminalização da homofobia. “O compromisso com este tema será mantido em um evento segundo mandato, até porque nunca houve oposição a isso”, afirmou. Em recente entrevista à imprensa, a presidenta Dilma Rousseff também se posicionou firmemente em defesa da criminalização da homofobia.

*****

Leia também:








sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Quem será o próximo

Fruto do discurso do ódio de Malafaia, que termina sendo internalizado em pessoas sem noção e dá nisso

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

O povo brasileiro é violento e ponto final.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

A tática da direita para tomar o poder

http://www.viomundo.com.br/denuncias/para-quem-tinha-duvidas-de-onde-a-direita-quer-chegar.html

Para quem tinha dúvidas sobre onde a direita quer chegar



da Redação
“Não custa lembrar que, no auge do mensalão, quando sentiu que seu mandato poderia estar em risco, o ex-presidente Lula ameaçou recorrer à força das ruas para se segurar no poder — e o MST era uma de suas escoras”, escreve a Veja na edição desta semana.
Fato. E é por isso que a direita avança no sentido de criminalizar os movimentos sociais, usando todo tipo de artimanha.
Depois do Psol, será a vez do calejado MST. As ruas, afinal, devem ficar livres apenas para a direita. Como ela reivindica para si, por exemplo, na Venezuela. Como aconteceu nos Estados Unidos, com a criminalização e a perseguição a integrantes do Occupy.
Abaixo, o discurso de João Pedro Stédile no VI Congresso do MST, em Brasília.
Nosso agradecimento à Conceição Oliveira, a Maria Frô.

Leia também:
Como a manipulação do mercado de metais enriquece os megabancos

A aliança dos neonazistas na Ucrânia

Por Marco Aurélio Weissheimer, no sítio Carta Maior:   



Os protestos de rua que vem sacudindo a Ucrânia nas últimas semanas são resultado, em grande medida, de uma articulação bizarra entre ongs e fundações norte-americanas e europeias e o partido neonazista Svoboda, liderado por Oleg Tiagnibog. Os Estados Unidos e a União Europeia estão dispostos a se aliar não importa com quem desde que isso enfraqueça a Rússia e permita a instalação de tropas da OTAN na Ucrânia. Esse é o pano de fundo desses protestos.


A avaliação é do cientista político e historiador Luiz Alberto Moniz Bandeira, autor, entre outras obras, de A Segunda Guerra Fria – Geopolítica e Dimensão Estratégica dos Estados Unidos (Editora Civilização Brasileira), onde examina o papel dos Estados Unidos na eclosão e o desenvolvimento de recentes rebeliões na Eurásia, na África do Norte e no Oriente Médio.

Para Moniz Bandeira, os recentes acontecimentos que convulsionaram vários países no Oriente Médio, na Eurásia e norte da África devem ser entendidos no contexto da estratégia de “full spectrum dominance” (dominação de espectro total) que os EUA continuam implementando contra a presença da Rússia e da China naquelas regiões. Em entrevista à Carta Maior, Moniz Bandeira analisa a situação da Ucrânia e identifica os grupos que, segundo ele, estão apoiando e promovendo as manifestações:

O jogo perigoso da desinformação

Por Luciano Martins Costa, no Observatório da Imprensa:


Os três principais jornais de circulação nacional, que ainda definem a agenda institucional no país, fecham a semana com uma proeza digna de figurar na longa lista de trapalhadas da imprensa, cujo troféu mais lustroso é o caso da Escola Base. Por uma dessas ironias da história, no dia 22 do mês que vem completam-se vinte anos do noticiário que inventou um caso de pedofilia numa escola infantil de São Paulo, e o roteiro se repete perversamente.

A morte do cinegrafista Santiago Andrade, atingido na cabeça por um rojão de alta potência durante manifestação no Rio de Janeiro, tem todos os ingredientes para se tornar uma versão revista e ampliada desse que foi o marco do jornalismo espetaculoso e irresponsável no Brasil.

Os ingredientes para uma grande farsa estão reunidos: os dois jovens que foram identificados como autores do homicídio são compulsoriamente representados por um advogado que ganhou dinheiro com a defesa de milicianos e – colocados no grande liquidificador da mídia –, produzem uma sucessão de declarações que, a rigor, não poderiam ser incluídas num inquérito. E tudo que dizem – ou alguém diz que disseram – vira manchete.

O Brasileiro da Organização Criminosa Mexicana, Cartel de Sinaloa



Agora entendi pq estão soltos

A violência usurpou a democracia

Imperdível texto de WGS sobre a produção da violência a partir da linguagem jornalística:

Sim, há algo de podre na política brasileira, mas enganam-se os que presumem que a podridão esteja só no Legislativo ou que de lá provenha.


ArquivoWanderley Guilherme dos Santos
Há algo de podre na política brasileira. O discurso do ódio contaminou a cultura. A violência física que assusta não é mais condenável do que a degradação pela palavra. Introduzido durante os debates da Ação Penal 470, a televisão propagou Brasil a fora o escárnio como argumento, a salivação como prova irrefutável e a falta de compostura de alguns magistrados como aparte retórico. Surpreendente a cada dia, durante todo o segundo semestre de 2013, os indiscutíveis mestres do STF, solidamente preparados, transformavam-se em arengueiros pernósticos a vociferar vitupérios em latim, em alemão e em inglês. À língua portuguesa reservaram-se rebuscadas construções gramaticais com que degradavam de modo vil os réus em julgamento. O valor intrínseco das evidências, muita vezes nulo, era irrelevante para o altissonante juízo que os homens de capas fúnebres proferiam.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Olha a mentira do bode!

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Globo condenada a pagar R$ 1,35 milhão por vítimas do caso Escola Base

Só o Batman e o Coringa, a famosa dupla do STF, para salvar a Globo dessa encrenca



Caso Escola Base: Rede Globo é condenada a pagar R$ 1,35 milhão

A Rede Globo foi condenada a pagar R$ 1,35 milhão para reparar os danos morais sofridos pelos donos e pelo motorista da Escola Base de São Paulo. Icushiro Shimada, Maria Aparecida Shimada e Maurício Monteiro de Alvarenga devem receber, cada um, o equivalente a 1,5 mil salários mínimos (R$ 450 mil). Entenda o caso abaixo

Dezoito anos atrás, os donos da Escola de Educação Infantil Base, na zona sul de São Paulo, foram chamados de pedófilos. Sem toga, sem corte e sem qualquer chance de defesa, a opinião pública e a maioria dos veículos de imprensa acusaram, julgaram e condenaram Icushiro Shimada, Maria Aparecida Shimada, Mauricio Alvarenga e Paula Milhim Alvarenga.
Chegou-se a noticiar que, antes de praticar as ações perversas, os quatro sócios cuidavam ainda de drogar as crianças e fotografá-las nuas. “Kombi era motel na escolinha do sexo”, estampou o extinto jornal Notícias Populares, editado pelo Grupo Folha. “Perua escolar carregava crianças para a orgia”, manchetou a também extinta Folha da Tarde.

Gilmar e Barbosa, os dois intocáveis da República

Autor: Luis Nassif

Os dois intocáveis da República

É provável que Joaquim Barbosa deixe o STF (Supremo Tribunal Federal) em março. Há boatos sobre sua pretensão de disputar ou o governo do Distrito Federal ou uma senatoria pelo Rio de Janeiro.
Saindo, seus malfeitos serão corrigidos. O plenário se reunirá, analisará os abusos cometidos enquanto presidente da Suprema Corte, corrigirá o que for possível e tentará voltar à normalidade.
***
Suas últimas medidas – derrubando decisões do interino Ricardo Lewandowski - impedem que qualquer prefeitura do país reajuste o IPTU (Imposto Predial Territorial Urbano).